QUEM SOMOS

Olá, meus amigos!

É com muita alegria que escrevo um pouco da minha história.

Poucos sabem que sou formada em turismo, porém, mesmo trabalhando no segmento de hotelaria, o amor pela cozinha e por doces sempre estiveram presentes em minha vida.

Desde criança me encanto com a arte culinária, pois a mistura de ingredientes resultando em composições saborosas é o que mais me fascina.

Na adolescência minha mãe, Alzinete Rezende, me presenteava semanalmente com uma revista sobre doces e isso contribuiu bastante para o meu interesse no segmento.

Nesse mesmo período minha mãe, que trabalhava com roupas para festas, foi desafiada por uma cliente a montar o seu buffet. Guerreira, como sempre foi, minha mãe não só aceitou o desafio como montou a empresa familiar de nome "Amor Afeto Buffet ", na cidade de Guarabira/PB, onde morávamos.

Eu tinha 15 anos de idade quando surgiu (para nós) uma super encomenda. Era para uma festa e o pedido foi de mil (1.000) doces. Meus Deus! Nossa experiência era mínima ou quase nenhuma. Mas, tínhamos que aceitar o desafio. Bem, uma vez decidido quais doces teríamos que fazer preparamos alguns para que a dona da festa pudesse avaliar nosso trabalho. Gente, foi um sucesso... e depois tomamos conhecimento de que a festa foi igualmente um sucesso.

O tempo foi passando e quando veio a faculdade de turismo grande parte da renda adquirida com os doces foi utilizada para pagar as minhas despesas, enquanto estudante. Nesse período, vindo para a capital, João Pessoa, morava com a minha inesquecível vozinha Anadir Rezende (in memory), no bairro dos Bancários.

Um dia resolvi trazer para João Pessoa/PB um serviço que já havíamos iniciado ainda em Guarabira/PB. Cestas de Café da Manhã. Como os meus irmãos já estavam também morando nos Bancários, colocamos as mãos em obra.    


No último período do curso e ingressando, pela primeira vez na área hoteleira, no setor da governança, estávamos também abrindo nossa primeira loja em Tambaú, na Av. Nossa Senhora dos Navegantes, a "Pedacinho do Céu Doces e Presentes ". Funcionava como ‘doceria’, montagem de cestas e caixas de doces, e aceitávamos encomendas de Cestas de Café da Manhã.

Em 2009, fui morar na cidade de Caxias do Sul/RS, onde trabalhei em hotelaria, minha outra paixão. Mesmo formada e trabalhando na área de turismo, o amor pelos doces continuava a falar mais alto. No hotel encontrei uma forma de sair da rotina e passei a comercializar e a presentear o meu (hoje famoso) Pão de Mel. Foi um passo para conquistar clientes iniciando pelos hóspedes até chegar à própria unidade da rede de hotéis. Ainda hoje faço ‘ponte aérea’ Paraíba – Rio Grande do Sul, por causa dos negócios com o Pão de Mel. Então, esta foi a oportunidade de estender os negócios aqui na Paraíba criando a D’Lira Doces (permita-me este parêntese, pois não posso deixar de comentar o motivo pelo qual escolhi o nome D’Lira: comer um doce nos faz delirar com o seu sabor. Eu diria que nós nos derretemos com o sabor de um delicioso doce. Unir o sobrenome ‘Lira’ ao verbo ‘delirar’ resultou no complemento do que eu desejava. Portanto, foi este o motivo da escolha do nome).

Sempre tive preferências por coisas simples e que, tragam boas lembranças. Trabalhar com doces exigem sentimentos que tenham a ver com eles. Amar o que fazemos é uma decisão fundamental. Partindo deste princípio começamos a sentir sabor nas coisas que aparentemente não tem sabor, mas tem... Um brigadeiro degustado por nós adultos, nos faz lembrar o sabor da infância. Você não acha? Por isso conduzi-lo ao delírio através dos doces é (eu sinto) uma das minhas missões.

Trabalhar com as Cestas de Café da Manhã é algo fascinante, desde o preparo até o momento final da entrega. Mas, a fascinação não acaba ali... na entrega. Ela se estende por muito mais tempo, porque presentear com uma dessas cestas é um ato de amor e gera gratidão no coração de quem a recebe. Percebe o quanto é poderoso o simples ato de presentear com algo que envolve o bom sentimento?
 

Por tudo isso é que resolvemos utilizar, em nossas cestas, o mínimo possível de produtos industrializados, preferindo portanto, os de nossa própria produção. Não nos importa trabalhar mais, por isso. Simplesmente porque amamos o que fazemos.
 

Louvo a Deus por tudo que Ele tem feito em minha vida e sei que muito mais Ele irá fazer.
"Toda honra e Glória para Ele e por Ele, Jesus Cristo!"


Débhora Lira